terça-feira, março 28, 2006

O deambular da ilusão




Às vezes dou por mim a ver-me como mais um dos derrotados da vida. Fernando Pessoa, Fernando Pessoa, Fernando Pessoa... Como um analgésico. É cedo para termos esta conversa, não é? A juventude ainda nos pulsa nas veias, o sabor intenso de um mundo novo, trazemos a vertigem das emoções nos lábios cerrados... E ainda assim aquela sensação que nos assalta de que já conhecemos o fim. Não me digas que não pensas o mesmo, vejo-o nos teus olhos. Tanto sofrimento à nossa volta!... A beleza desprevenida nos rostos alheios, a leveza dos dias, mas quantos desejos reprimidos por trás de cada sorriso. Não foi isto que nós sonhámos, não finjas que não estás a perceber. Eu agarro-me a ti para que me digas que há um sentido, às nossas fantasias, estranhas quimeras, mas tu olhas para mim... E eu vejo que estamos os dois tão perdidos!
Sabes quantas vezes acreditei e em quantas delas perdi a aposta? Sabes quantas confiei e me desiludiram? Dei por certos passos que me falharam. Não quero ouvir-te dizer que é este o caminho, que é a vida dos adultos, eu nem sou adulta, nem quero isto para mim. Essas pessoas... Essas que me dizem tanto, que povoam os meus dias, que vivem a mesma realidade que eu... Pensas que é fácil ver-lhes os risos desfazerem-se em estilhaços, apanhar-lhes os cacos e dizer “deixa lá, é assim a vida, isso passa”? Pensas que não revolta, que não apetece devolver-lhes os sonhos intactos, mas tudo é uma ilusão... O nosso deambular da ilusão.
Pensei que encontraríamos o caminho, um dia. Pensei que estávamos a projectar os nossos sonhos no futuro, mas afinal eram só as inseguranças que reflectíamos. Agora vejo-me cara a cara com os meus fantasmas e sento-me à mesa com eles. Admite que isso não fazia parte dos nossos planos. Não é necessariamente mau, não é tudo intrinsecamente mau. É só esquisito, esquisito que depois de tantas subidas e descidas ainda me procure por aí. Esquisito que o mundo continue a escorregar-nos como areia entre os dedos e que, no sentido inverso, a nossa ânsia de o segurar se vá desintegrando em pedacinhos coloridos que brilham por um instante diante dos nossos olhos e desaparecem. Deixo-os ir com a corrente dos pensamentos reciclados e dos instintos falhados. Cansei-me de batalhas perdidas. Diz-me se ainda acreditas nos mistérios que, um a um, ainda vamos desvendar. Se o nosso clube das chaves tem coragem suficiente para continuar. Ou se nos cansámos tão cedo das contradições de uma existência banal.
Quero beber a essência das coisas, a violência dos sentimentos, a intensidade dos momentos, que nos esgotam e renovam. Quero o que ainda há por oferecer. Venham as ilusões, se preciso delas para viver. Deambulando por aí, vou-me encontrando em mim. Entre o cansaço de um momento e outro, entre as revoltas e as frustrações, há a magia das coisas simples, daquele olhar, de uma conversa esfumada no tempo, da cinza das memórias que as horas arrastam... Não estaremos derrotados enquanto estivermos vivos.

7 comentários:

Bernardo disse...

Houve uma aposta k nao perdeste...apenas deixou de ser uma aposta..
Houve uma confiança k nao perdeste...
E sim..eu continuo a acreditar em misterios..continuo a querer a ansia de sentimentos..continuo a querer viver na ilusao da perfeiçao do amor cego.. ;) jokas

Raul disse...

AMA quem te AMA e deixa que te AMEM!!

Sandra disse...

Sammy as tuas palavras conseguem smp deixar-me a pensar...às vezes parece k transmites os meus próprios pensamentos!O texto está maravilhoso e, realmente, custa mt knd keres animar alguém e ñ sabes o k dizer e o k acaba por sair é aquela frase:"vai passar, é a vida"!
Mas como tu dizes ñ podemos deixar de viver e mtas vezes isso é sinónimo de ilusões perdidas.O k temos de fazer é arranjar novas e melhores ilusões!
Bjinhos ffs*****gosto mt de ti minina=)

kitty disse...

linda linda linda....ate me arrepiei ao ler o teu texto...o caminho, tu vais encontrar de certeza, pois mereces mais do k ng ser feliz!!! adort mt miguinha:P
e cm dizes"n estaremos derrotados enkuanto estivermos vivos"

bjinhos*****

kitty disse...

linda linda linda....ate me arrepiei ao ler o teu texto...o caminho, tu vais encontrar de certeza, pois mereces mais do k ng ser feliz!!! adort mt miguinha:P
e cm dizes"n estaremos derrotados enkuanto estivermos vivos"

bjinhos*****

El Guerrilhero!! disse...

Antes de mais. Sammy Fernando Pessoa já me irrita , mas ao cubo é demais!!! LOLLOLLOLLOLLOL
Falando a sério agora, o texto está mesmo muito giro , eu vejo-o como uma fonte de inspiração e de coragem para seguir em frente apesar das desilusões que nos vão surgindo na Vida, mas estas desilusões são mesmo necessárias para que possamos crescer, tacto por fora como por dentro, o que não devemos deixar que aconteça é que nos percamos nestas emoções..... E digo apenas mais isto: Cobarde não é auferir eu perante a derrota se levanta de novo para alcançar o seu lugar ao Sol, mas sim aquele que se dá por vencido e se deixa levar.... Pois como tu dizes enquanto erramos vivos nunca seremos derrotados.... E até podemos continuar a vencer após a morte, para isto basta que sejas a pessoa maravilhosa baque és e nunca ninguém te esquecerá para todo o sempre!!!


Jinho grande!!


Marquês was here!!

Nancy disse...

"nosso deambular da ilusão."frase que resume um pouco do k foi parte da minha vida;a ilusao consegue deixar nos completamente cegos;(
adorei o texto na ìntegra;frases sábias=)
beijinho kerido nesse coraçaozinho lindo***