terça-feira, julho 25, 2006

Duas vidas

Fotografia de autor desconhecido


Será sempre assim... Amar as raízes e aspirar ao céu? Paradoxais são os desejos que alimentam os meus voos; quero ser dona do meu tempo, segurar as rédeas da minha vida, e ainda ser folha arrastada no vento, pintada pelas cores da estação, leve e estaladiça. Preciso tanto do meu espaço, do meu cheiro nas paredes, de caras conhecidas a sorrirem-me do porta-retratos na estante, como da liberdade de vaguear sem destino, gota anónima num oceano de vidas. Gosto de me reconhecer nos caminhos rotineiros, de antecipar cada passo e essa segurança é uma espécie de redoma que me protege das intempéries de um destino caprichoso. O mesmo destino que me acena do horizonte e me fascina; inebriada pelas promessas de aventura, sucumbo à tentação de me fundir no mundo. Quero uma vida normal, com direito a tudo aquilo que fui programada a ambicionar e, com a mesma intensidade fervorosa, desejo escrever uma história original, por entre a poeira dos caminhos e com o céu estrelado como testemunha. Quero duas vidas para viver!
Perdida por aí, sinto-me tão viva... Dilui-se no sangue a angústia das horas, o tempo passa devagar, como uma carícia. Oiço até o coração da terra palpitar-me no peito, se os meus pés decalcam as pegadas luminosas do universo. Viajar mata a minha fome de mundo. Por um instante, sinto-me cumprir o meu destino, como se eu não pertencesse nem a mim, senão ao mundo. Desejo, com os olhos a brilhar de excitação, cada rua, cada pedaço de mar, banhado de luar e estórias de piratas. Vou saquear as emoções que escondem os rostos alheios, dissecar os mitos de cada sombra que desce sobre a cidade. Quero conhecer, conhecer profundamente; olhar para o mundo mergulhada no seio de cada país, vê-lo como ele é visto lá... Mas só por um instante... E depois partir em busca do meu “el dourado”. Que o prazer não está em chegar, mas na viagem e a única coisa que me poderia prender, levo-a comigo. Sentimentos, transporto-os a tiracolo; o tempo encarrega-se de lhes limar as arestas e eu beijo-lhes as palavras e os silêncios.
Preciso de sentir o chão nos pés. Não nasci para ser de um país só. Almejo os sons, as cores, os cheiros, a arte, a alma de um mundo desconhecido, descobri-lo, possuí-lo, deixar-me apaixonar. Quero aprender línguas diferentes, sentires diferentes, lendas e tradições que moldem a forma como vejo o mundo. A beleza escraviza-me e bebo dela, até me latejar nas têmporas. Rasga-se-me o riso nos lábios, se apreendo um pouco mais da realidade. Realidade que também existe aqui... Aqui, onde estou integrada, onde posso ser eu. Aqui, onde pertenço, onde sou feliz. Eu preciso de duas vidas... Duas vidas para me perder e para me encontrar...

3 comentários:

what_about_neruda? disse...

uma moeda... um euro portugues, nobre vadio como tantos outros, de carteira em carteira, de mão em mão, de café em café... passam anos e a moeda outrora polida ganha agora sujidade nos cantos... a viagem foi cansativa e qual o seu espanto? tanta vontade e tanta esperança... chamemos-lhe vadia, vagabunda... o valor mantê-se mas então e a beleza? nada melhor que um coleccionador aficcionado por raridades estrangeiras para a acolher no seu estojo... para a restaurar ( reabilitação da alma)!!! é agora um item valioso, um bem unico e raro da sua colecção! uma de duas faces deu-lhe um destino, uma de duas faces tornou-a indecifravel e banal ao olho normal! seria a moeda apreciada da mesma forma no territorio onde foi cunhada???

El Guerrilhero!! disse...

Amei o teu texto Sammy... Foi maravilhoso ler aquelas linhas onde tu desmontras uma realidade quer passa por todos nós, esta realidade dupla que muitas vezes nos invade e que muda como o Camaleão confome as situações que a nossa Vida vai tewndo.. Ás vezes queremos tudo e tudo vencemos, outras vezes não queremos nada e nada conseguimos... É esta a dura dualidade que vivemos e que nos molda ...

Jinhos queridos!!

Marquês was here!!

Carla disse...

Excelente texto! Não tenho palavras para comentar,apenas dizer que por vezes me sinto assim tão presa ao meu mundo que so se voltasse a nascer poderia ser livre!