domingo, outubro 01, 2006

Minha pequenina













Fotografia em www.fotolog.com/vanish_ladies

Uma e outra vez, mostra-me na palma das tuas mãos a alegria arrancada ao centro da Terra, desmanchando os meus moinhos de vento na tua gargalhada, rodopiando na minha cabeça como um louco carossel de cócegas. Vamos dividir o chocolate [ninguém está a ver] e lutar pela surpresa dentro do ovo; se depois me abraçares, semeando decalques das tuas mãos pequeninas na minha camisa, eu não vou reclamar. Deixa-me só entrar no teu mundo de faz-de-conta, rebolar no chão contigo, pincelando o ar de risos coloridos. Contigo vou dançar como um patinho e sentir-me uma princesa, ver todos os desenhos animados sem me preocupar se já quase sei os diálogos de côr e cantarolar a música da Floribella, tu tens na voz a alquimia que a transforma na mais bela para os meus ouvidos. Vou aprender o teu dialecto desconhecido e a tratar pelo nome uma dezena de bonecos iguais.
Quando te vens aninhar nas minhas pernas, achando o espaço exacto que tens no meu coração, sei que tudo está no seu devido lugar. Não há nada para além dos teus olhos em forma de lua a sorrirem nos meus. Dizes-me um segredo, tropeças no meu nome e rimo-nos, como se a vida não nos pudesse magoar. Passas os dedos no meu cabelo, deixando um rasto de estrelas, e eu encosto o meu rosto ao teu para sentir-lhe o cheiirinho a bébé. Em breve, terás adormecido, os teus braços à volta do meu pescoço, a tua vozinha dissolvendo-se num respirar profundo de satisfação. Apetece-me ficar ali contigo, só a ver-te dormir, sentindo os laços de ternura apertarem-se com força no meu peito, invadida pela Paz que inspiras, perguntando-me em que jardins encantados brincarás neste momento.
Há no teu jeito simples de criança uma qualquer magia que me apaga os problemas e desliga as preocupações. Na sabedoria do teu sorriso sincero há uma carícia que, como uma torrente de água fria descendo sobre o meu corpo, me acorda para a importância de estar só para ti, inteiramente para ti. Sacudo as sombras que trouxe nos ombros, dispo qualquer fragmento de tristeza esquecido no meu olhar, e abraço-te, sentindo-me infinitamente feliz por existires. Porque és tão pequena e já sabes a beleza do Amor, saiba eu dar-to sempre fresco e suculento, saboreado aos pedaços.

7 comentários:

Té § [Pi]menta =) disse...

"Vamos dividir o chocolate [ninguém está a ver]" :') k fofo! :) gostei muito do texto, tá muito fora de serie! :) * beijinho[www.nonsenseeee.blogspot.com]

Gonçalo disse...

lindissimo....:)
Quase consigo perceber o teu sorriso ao escreveres o texto...:) bj

Pecado Original disse...

O melhor do mundo aliado ao que temos de melhor.
As crianças não mentem só amam.
***

delilah disse...

e eu eh qe escrevo bem?? tens noção de como me deixas com o sorriso pateticamente ternurento a cada vez qe leio um post teu? não sei qe condimento usas, mas sabes usá-lo de uma maneira qe é mesmo o teu condimento, a tua doçura, o teu chocolate, a tua gengibre .. seja lá o que for, ate podia ser arroz de canela, ou batatas de amendoins, de ti tudo tem um sabor irresistivel. acho qe é mesmo assim que tu es e reflectes tudo isso nas palavras com uma subtileza de prender qualquer um ao ecran à espere que fim nunca chegue.
és bonita no que fazes, no que dizes, no que és. e eu gosto :D
xxx

Rui Nelson Dinis disse...

Poesia em forma de prosa, servida às fatias, em saborosos pedaços...

Raul disse...

Cada letra dos teus textos são pequenos glóbulos de açucar que se libertam do teu coração e adoçam todas as pessoas que gostam de ti :)
Por isso... cobre-nos de açucar que também serás coberta por quem gosta de ti!! :D ;)

Beijinho com Abraço do teu amigo,

Raul

Morphine disse...

É tão bom quando ter alguém que dá sentido a tudo, que nos faz acreditar =)
A tua pequenina é um amor.
*